sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

5 Coisas que Aprendi em 2011

 Ao fundo, a Prainha-RJ. Tempo bom existe sim!


1) Reveja seus hábitos, principalmente, o de adiar as coisas - parece chavão, mas, não é. Depois eu ligo, depois eu falo, depois eu vou... cuidado com isso! Logicamente que você precisa de equilíbrio, pois, se for participar de todos os eventos para os quais é convidado, não sobrará tempo para si mesmo nem para a família. Apenas discirna. O que não dá para adiar, o que dá e, se adiado, cumpra em tempo futuro. Aquela visita por tanto tempo adiada poderá acontecer num local menos desejado possível - o cemitério.

2) Cuide de sua saúde mental e física - o sedentarismo é igual tabagismo, uma hora pode dar ruim. Financeiramente você está impedido de praticar atividade física? Saiba que um simples alongamento ao acordar por meros 15 minutos já ajuda bastante. Se o problema é tempo, lembre-se que se precisar remediar você terá que encontrá-lo de qualquer jeito, então, melhor é prevenir mesmo. Não abra mão do seu momento de lazer. Toda pessoa precisa de um momento pra si - longe da galera, longe do barulho, apenas consigo mesmo. Cultive isso; duvido que não se sinta melhor!

3) O futuro é agora - aprendi com a ex-jogadora de basquete, Hortência, que oportunidade é uma mulher careca com uma trança na testa. Ou você agarra, ou você a perde. É comum nos privarmos hoje de algum prazer em prol de um benefício futuro no campo profissional. A perspectiva do quando [quando isso, quando aquilo...] torna o presente opaco e o passado vazio. Não temos o futuro. Temos apenas o presente. Uma história não é escrita à base de expectativas, porém, de ações, portanto, pense no que vem fazendo da sua no último(s) ano(s). Não haverá outra, ela é a única que você tem, portanto, desfrute-a.

4) O estresse é inevitável, portanto, gerencie-o. Você ficará irritado com situações na igreja, no trabalho, na família, ao sair para passear, almoçar, pagar uma conta. Decidir permanecer ou não  irritado é o "x" da questão. Você tem o recurso da oração. Estigmatizá-lo foi a maneira sútil pela qual satanás induziu o cristão a buscar soluções e alívio carnais. Oração, véio. Não tente ter domínio próprio de forma carnal porque senão você terá cólicas emocionais e doenças psicossomáticas. Andar no Espírito deve ser igual a caminhar na rua - um passo por vez de forma constante e rotineira. De tanto martelarem que murmuração é pecado, tem muito crente fingindo mansidão e longanimidade. Faz isso não, mano, porque isso vai acabar com a tua saúde. Tem hora que é melhor sentar o dedo na buzina do que encher o reservatório que vai dinamitar uma crise nervosa.

5) Existem pessoas que nunca ouviram o plano de salvação e moram ao redor de nossas igrejas. Eu pensava que nos centros urbanos havia quase que um esgotamento no que diz respeito à pregação, haja vista o acesso pela rádio, tv e internet. Qual não foi o impacto ao participar de um evangelismo numa comunidade e perceber que dezenas ali não sabem ou nunca ouviram sobre Jesus [na concepção de Salvador e remidor de pecados]. É uma situação semelhante a você ter ouvido falar em ações e bolsa de valores. Ouvir falar, acho que a maioria já ouviu, daí entender a dinâmica e saber operar lá dentro vai uma distância descomunal. Falta ensino. Mais do que isso, falta didática para se comunicar o plano de salvação no evangelismo. O ide e pregar foi interpretado e repassado erronemante como se tratasse apenas de sair por aí e falar a respeito. Vai além disso, trata-se de saber comunicar [capacitar o emissor, escolher o devido canal e ter o feedback do receptor], no mínimo. Isso evitaria pessoas que aceitam Jesus em todos os cultos, que não sabem se Jesus está no céu ou no seu coração, se são salvas ou não, se Jesus é Deus ou não e por aí vai. As almas perdidas são em número maior do que imaginamos e podem estar sentadas ao nosso lado todo domingo, nos cultos da igreja.

E que venha 2012!

É nox!


Achou o artigo de utilidade pública? Compartilhe clicando em SHARE, Curtir ou comente pelo Facebook.

Bookmark and Share

Pregação dos Loucos: as 5 postagens mais acessadas em 2011 [Retrospectiva]



 1º lugar - Anderson Silva e Vítor Belfort - cristianismo autêntico

Uma luta histórica, um K.O (nocaute) inesquecível. De lá pra cá, li alguns posts noutros blogs condenando o MMA ao afirmar que não é esporte para crentes por ser muito violento, contrariar mandamentos bíblicos, e isso e aquilo - enfim, uma chatice! Desconsidera-se os bons frutos sociais que esta modalidade tem gerado ao longo dos anos. "Uma pessoa pura de coração vê virtude e pureza em tudo; mas uma pessoa cujo próprio coração é maligno e descrente, acha maldade em tudo, pois sua mente impura e seu coração rebelde pintam assim tudo o que ela vê e ouve", Tito 1.15 [A Bíblia Viva]. Se você não leu ou quer relembrar o que se pode aprender espiritualmente numa luta de MMA, Clique Aqui.

.

Nesta última semana do ano, então... às vésperas de mais um sorteio da Mega-Sena da Virada, há um frisson comum contagiando muito irmãozinho por aí. Por isso, provalmente, novas postagens virãos acerca deste assunto. Enquanto isso, Clique Aqui.




.
 

Em tempos de festivais, tema sempre atual... Nada é por acaso. Relembre, Clique Aqui.

.

Um dos episódios mais lamentáveis do evangelicalismo brasileiro, o centenário das Assembléias de Deus só reforça ainda mais aquela sensação de que estamos numa matrix , tipo "a verdade está lá fora". Relembre, Clique Aqui.




.

Infindável questionamento dos que estreiam na fornalha da dor. Tem muita gente machucada sentada ao seu lado, no banco da igreja. Muita gente mesmo. Se você está passando por isso ou conhece alguém assim, não pense duas vezes em encaminhar-lhe esta mensagem. Clique Aqui.


.

Achou o artigo de utilidade pública? Compartilhe clicando em SHARE, Curtir ou comente pelo Facebook.

Bookmark and Share

sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

Quebrantamento, o seu melhor presente!

"Todo aquele que quer ser meu seguidor deve amar-Me bem mais do que ao seu pai, mãe, esposa, filhos, irmãos ou irmãs - sim, mais do que a própria vida; caso contrário, não pode ser meu discípulo. E ninguém pode ser meu discípulo se não carregar sua própria cruz e seguir-Me". Lucas 14.26-27. [A Bíblia Viva]

Todos nós temos nossa própria maneira de fazer qualquer coisa. Já reparou que dificilmente lemos um manual de instrução, seja de um simples eletrodoméstico, seja de uma receita? É porque nós somos convictos em achar que vamos fazer da maneira correta. Isto não poderia ser diferente no que diz respeito ao ensino de Jesus sobre ser seu discípulo e sobre "carregar sua própria cruz".

Com o dedo em riste, proclamamos o "tem que" isso, "tem que" aquilo, "deveria" isso, "deveria" aquilo, mas, amanhã, véspera de Natal, a maioria de nós estará no aconchego de seus lares desfrutando de uma mesa farta, troca de presentes e etc.  Mesmo que no domingo, abramos mão de boas horas de sono para estarmos cedo na igreja por causa dos deveres eclesiásticos. Ainda que não gozemos da cesta dominical ao longo do ano para estar no ensaio do louvor, temos o nosso próprio entendimento sobre negar a si mesmo.

Essa negação pode ser uma negação carnal ou pelo menos que não maximiza o fluir do Espírito através de nós. Existem coisas que sabemos fazer, fazemos bem-feito e, isto inclui até uma auto-anulação. Morrer para que outros possam viver vai além do óbvio, de um check-list de coisas a fazer e não fazer. Tem a ver com você e suas exclusividades. Tem a ver com o inesperado e com a sua reação ante a situações desconhecidas e estranhas.

Não quero aqui ser um espadachin e marcar um "x" em ninguém, porém, quando você acha que a sua é apenas tocar uma viola e cantar na igreja... e que foi pra isso que Deus lhe chamou, eu te falo, assim é mole, bonitão! Não, não é assim não. Porque, independente do que gostamos de fazer para Deus, ELE tem seu próprio projeto para nós e não precisa que ditemos as regras. O padrão é ir, pregar o evangelho e fazer discípulos. Somos tolos ensurdecidos quando fugimos disso.

Esta é apenas uma exemplificação de como um cristão pode se encontrar em absurdo equívoco sobre sua renúncia por Cristo. Por essas e outras, há tantos frustrados na igreja; não entendem como podem pagar o preço e algumas coisas não romperem. É simples: o preço está errado. Logo, aproveite sua ceia natalina o quanto puder, porém, retire um momento de reflexão sobre seu modo de se renunciar por ELE. Que seu presente de Natal seja seu quebrantamento e  perseverança em prosseguir em conhecê-lO.

Feliz Natal!

Achou o artigo de utilidade pública? Compartilhe clicando em SHARE, Curtir ou comente pelo Facebook.


Bookmark and Share

quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

Gula, o pecado nosso de cada dia


Meu filho, ouça com atenção os meus conselhos! Esteja sempre pronto para escutar as minhas instruções. Elas devem estar sempre em sua mente, sempre presentes em seu coração,  porque delas depende a verdadeira vida e uma saúde perfeita. Provérbios 4.20-22 [A Bíblia Viva]

Palavra muito propícia para uma época de festividades como esta na qual nos encontramos. Ainda mais se tratando dos crentes que adquiriram uma certa fama de glutões - e não negam. Funciona como uma válvula de escape, quase que como um direito adquirido, afinal, se não consumimos drogas ilícitas nem bebidas alcoólicas, nós "tudo podemos naquele que nos fortalece".

De geração a geração é promovida e transmitida a unção do glutão. Só que toda forma de desequilíbrio é contrária ao Reino dos Céus e, portanto, obra da carne. Daí muitas ações espirituais mais soam como um desencargo de consciência do que um esforço para revigorar o homem espiritual. Até porque - quem não o fez que atire a primeira pedra - quantos não são os que após um período de árduo jejum metem o pé-na-jaca? Uma verdadeira orgia alimentar com muito louvor àquela bebida gaseificada feita de cola.

Não quero dar uma de santarrão e nem de propagador de teorias da conspiração [clique aqui], porém, não é difícil associar uma alimentação moderada com qualidade de vida. Não adianta posar de espiritual e ao mesmo tempo se render à glutonaria sem considerar estar pecando contra o templo do Espírito. Sim, não adianta amarrar o capeta - ôh, abençoado! - se você exagera no consumo de açúcar [clique aqui], por exemplo. Leia mais a sua Bíblia e repare que ela lhe ensina a ter uma verdadeira vida e uma saúde perfeita.

Logo, ter saúde perfeita é uma responsabilidade espiritual também. Está ligado à gratidão pela saúde recebida de Deus e ao zelo por esta dádiva. Digo, é adoração! É consequência de adquirir a sabedoria promovida por Salomão no livro de Provérbios. Portanto, não espere o ano que vem e muito menos caia na conversa de que "você é novo, pode comer de tudo, então, aproveite". Não espere chegar o dia em que terá que ouvir de um médico o que a Bíblia ensina a milhares de anos: 

"Deus nos deu apetite pelo alimento e estômago para digeri-lo. Isso, porém, não quer dizer que devamos comer mais do que precisamos". 1 Coríntios 6.13 [A Bíblia Viva]

Permaneçamos firmes!

Bookmark and Share



terça-feira, 13 de dezembro de 2011

"Por quem eu tenho morrido?" - faça a escolha certa


"Todo aquele que quer ser meu seguidor deve amar-Me bem mais do que ao seu pai, mãe, esposa, filhos, irmãos ou irmãs - sim, mais do que a própria vida; caso contrário, não pode ser meu discípulo. E ninguém pode ser meu discípulo se não carregar sua própria cruz e seguir-Me". Lucas 14.26-27. [A Bíblia Viva]

O egoísmo intrínseco ao homem natural faz ele virar o rosto para a verdade do Evagenlho do Reino. Sua moralidade comum [não matar, não roubar, não fazer mal ao próximo] lhe parece suficiente para garantia de um lugar celestial pertinho de Deus. Mal sabe [inclusive muitos crentes] que nem tudo que não é aparentemente mau é compatível com sua caminhada cristã.

Sendo mais explícito, cito o exemplo de muitas mulheres que se negam por toda uma vida por causa do marido ou dos filhos. Inacreditavelmente elas se anulam por causa da prole e, por filosofias assim, aumenta a cada dia o número de mães com depressão depois que seus filhos saem de casa. Ora, convém no desenvolvimento da salvação tirar espaços de reflexão e responder: por quem eu tenho morrido?

Essa teia relacional do núcleo familiar é vista com normalidade até mesmo dentro das igrejas. Pais tendem a investir nos filhos não apenas por amor, mas com esperança de retorno.  É um amor obsessivo, possessivo, e é justamente a frustração da expectativa que gera decepção e mágoa. Há sabedoria aqui - Não nos decepcionamos com as pessoas, mas com as expectativas que nós projetamos nelas e que não se cumprem.

Eu fico pasmo quando se negar por Cristo parece uma utopia a quem já se nega por causa de familiares, por exemplo. A Bíblia ensina. A vida ensina. Deus é melhor que tudo! Portanto, aproveite este clima de final-de-ano e reflita sobre seu caminhar cristão. Por quem eu tenho morrido? Nunca pregar, nunca visitar, nunca fazer a Obra, nunca se envolver com o que envolve Jesus Cristo em troca de uma postura serviçal a humanos? Ah, não...

Pode não parecer e, de repente, ninguém pregou isso a você, mas, isso também é amar mais a própria vida. Saber que está todo mundo bem e dobrar os joelhos correndo quando há alguma ameaça aos seus pondo-os no topo dos motivos de oração... ouça; Deus espera mais de você. Atentai para não enterrar o talento que ele lhe deu! Eu disse e repito: nem tudo que não é aparentemente mau é compatível com a sua caminhada cristã. Pense nisso!

Permaneçamos firmes!

Achou o artigo de utilidade pública? Compartilhe clicando em SHARE, Curtir ou comente pelo Facebook.

Bookmark and Share




quarta-feira, 30 de novembro de 2011

Desfrute do que tem sabendo que Deus é melhor


"Todo aquele que quer ser meu seguidor deve amar-Me bem mais do que ao seu pai, mãe, esposa, filhos, irmãos ou irmãs - sim, mais do que a própria vida; caso contrário, não pode ser meu discípulo. E ninguém pode ser meu discípulo se não carregar sua própria cruz e seguir-Me". Lucas 14.26-27. [A Bíblia Viva]

Nossas igrejas não precisam de curiosos. Pessoas que se achegam para ver como é, quem sabe aqui é igual àquela que eu vi na tv e eu possa conseguir o meu milagre. Talvez, por isso, Jesus não se impressionasse com a multidão que começava a lhe cercar e reivindica o governo de suas vidas. Essa entrega não significava obedecer apenas a lei moral, mas, requeria ir além. Eis o ponto crítico do cristianismo.
.
Jesus entendia muito bem de relacionamentos e, por isso, desafia os ouvintes. Nós realmente nos apegamos demais a coisas e a pessoas e, isto, pode represar o fluir de Deus em e por meio de nós. Ser capaz de conseguir um bom sustento [pai], conforto [mãe], amar e ser amado [esposa], obter realizações pessoais/profissionais [filhos], ser aceito e bem quisto [irmãos e irmãs] é algo que nem todos conseguem. Muito menos, depois de conseguido, abrir mão por causa do Reino de Deus.

Ora, não foi para isso que fomos criados, e, infelizmente, em alguns lugares, não é para isso que somos discipulados. Ou se enfatiza quase que uma vida monástica ou uma vida de conquistas e vitórias, porém, sem a cruz. Não é pecado sentir falta de coisas comuns como, por exemplo, morar num lugar bacana. Pecado é fazer disso a condição de felicidade ou não desconsiderar sua efemeridade. Jesus Cristo é bastante claro ao falar "carregar sua própria cruz".

É algo específico a você. Nem sempre temos vontade de fazer a Obra de Deus, nem sempre estamos tão espirituais e, nesse momento, carregar a cruz faz todo sentido. Porque ela era um lugar para os homens mais vis da sociedade e, pode ser, que pai, mãe, esposa, irmãos e irmãs assim lhe tratem por causa de sua fé. Por não entenderem o peso do seu ministério e, então, você terá que escolher a quem amar mais, a quem aborrecer.

Eu incentivo você a crer na Bíblia de todo o seu coração. Obedeça a convocação e seja também um carregador de cruz. Vale a pena abrir mão de um "não tô a fim" para evangelizar, pregar...  Vale a pena dizer não para o seu regozijo, porque Deus é melhor! Deus é melhor que esposa, filhos, pais, irmãos e amigos. Deus é melhor. Desfrute o quanto lhe for possível de tudo que você tem e se não for apenas mais um curioso, saberá quando terá que trocá-los pela sua cruz.

Permaneçamos firmes!

Achou o artigo de utilidade pública? Compartilhe clicando em SHARE, Curtir ou comente pelo Facebook.

Bookmark and Share

terça-feira, 29 de novembro de 2011

Dizer não, não é pecado!


"Todo aquele que quer ser meu seguidor deve amar-Me bem mais do que ao seu pai, mãe, esposa, filhos, irmãos ou irmãs - sim, mais do que a própria vida; caso contrário, não pode ser meu discípulo. E ninguém pode ser meu discípulo se não carregar sua própria cruz e seguir-Me". Lucas 14.26-27. [A Bíblia Viva]

A constituição humana é algo que tende a ir longe para voltar-se a si mesmo numa espécie de reverência. Percebe-se no comportamento de uma criança o quanto de egoísmo está entranhado em nosso ser. Ao nos depararmos com o Evangelho de Jesus Cristo, rejeitamos e, depois, tendemos a acomodá-lo no nosso ideário. Quem assim o faz, precisa voltar e entender o seu destino final. Nós temos um Deus que diz não e, portanto, dizer não, não é pecado!

Como tio de ministério infantil compreendo porque vivemos numa sociedade desregrada. Vem dos pais a idéia de que o não deve ser evitado a todo custo, pois, é algo que magoa demais e, por exemplo, desde que a criança não suba no púlpito e pule no pescoço do pastor, tudo bem. É tão lindinho o pequeno príncipe. Precisam ler mais a Bíblia e serem lembrados de que nela não existe o mandamento "é proibido proibir". Aliás, o movimento da Tropicália passou já faz muito tempo.

O confronto provocado por Jesus à massa que lhe cercava está no fato de que um homem [aparentemente como outro qualquer] impunha suas regras. Sabe aquela coisa de "quem ele pensa que é"? Pois bem, a condição era ser capaz de gostar mais de Deus, de amá-lo e se pôr em disponibilidade para ter este amor provado. É isso ou a pro-i-bi-ção de ser seu seguidor. É, não dá para amenizar a força da mensagem. Se não seguir as regras, está proibido de se dizer cristão! Pro-i-bi-do!

Sim, como podem ver, dizer não não é pecado. Embora, há os que se digam cristãos e tenham dificuldade abissal de ouvir um não e mesmo de dizer um não. Só pode formar discípulo quem um dia foi [e continua sendo] um. Obviamente, existem celeumas geradas por deformações a serem resolvidas por um espírito pacificador, mas, de pronto, basta aceitar o Evangelho de Jesus Cristo ou migrar para outra religião. Não há o que fazer...

Logo, ainda há tempo para sermos sinceros com o Senhor e vomitarmos a dureza de nossa cerviz. A teimosia que nos faz sermos egoístas e tentarmos ser espirituais e carnais ao mesmo tempo. É tempo de aceitação de cruz. Você não poderá carregar a minha e nem eu a sua, mas, juntos, em Cristo Jesus, somos capazes de nos ajudar a levar nossas cargas até que o Filho venha!

"Partilhem as dificuldades e problemas uns dos outros, obedecendo dessa forma à ordem do nosso Senhor" Gálatas 6.2 [A Bíblia Viva].

Permaneçamos firmes!

Achou o artigo de utilidade pública? Compartilhe clicando em SHARE, Curtir ou comente pelo Facebook.
Bookmark and Share




quarta-feira, 16 de novembro de 2011

De vez em quando, o pecado oculto dá as caras...

Diante de ti puseste as nossas iniqüidades; os nossos pecados ocultos, à luz do teu rosto. Salmos 90.8

Eu tenho predileção pela tradução Revista e Corrigida da Bíblia Sagrada por causa de algumas expressões e neste versículo está uma delas. Pecado secreto me parece algo sabido e escondido de propósito, enquanto, pecado oculto dá a sensação de algo nebuloso, por vezes desapercebido, mas, existente na nossa natureza limitada. De vez em quando, o pecado oculto dá as caras...

Outro dia, eu tomei uma decisão que provocou a morte de dezenas de pessoas, perda de trinta e três por cento de minhas propriedades e um saldo negativo que me forçou a um empréstimo de mais de quatro milhões. Calma, calma! Não fique assustado porque isto aconteceu no mundo virtual de um game online para múltiplos jogadores. Apesar de acontecer no imaginário mundo dos games, a consequência se deu pelo predomínio da empolgação e soberba.

Sim, foi difícil não me sentir "o cara" após vinte vitórias consecutivas no campo de batalha. Foi aí que me precipitei e diante do resultado só pensava "Cara, por que eu fiz isso?" e "Como eu fui dar esse mole?" [se você não joga games, não tem noção do que me aconteceu, mas, foi sério, quase tive que cancelar minha conta]. Eu sabia o que tinha que fazer e não fiz. Agora, pense: não são essas expressões que ouvimos de alguém que dá luz ao pecado?

Interessante é que mesmo lendo a Bíblia e tendo uma vida de oração não estamos livres da manifestação do pecado oculto. Muitas vezes pensamos que é um problema já superado [reside aí o perigo?]. Outro engano é achar que o pecado oculto é um problema pertinente aos adolescentes da igreja. Logo se pensa em masturbação, pornografia etc. Mas, a recomendação de Jesus é que nós olhemos para a trave que está em nosso próprio olho [ou seja, sempre nos lembremos do nosso último vacilo].

Desta maneira, pode ser que não consigamos zerar a predominância, vez ou outra, do pecado, sim, mas, a santificação estará em curso. A prática da prudência, do domínio próprio e aquisição de sabedoria.  Creio que esta é a rota que torna uma realidade a palavra de Pv 3.18 [Mas a vereda dos justos é como a luz da aurora, que vai brilhando mais e mais até ser dia perfeito]. Então, faça esse favor a si mesmo e aos que estão ao seu redor!

Permaneçamos firmes!

Este blog é melhor visualizado com o Mozilla Firefox.
Qual é a sua opinião sobre o assunto? Deixe seu comentário aqui, pois, ele é muito importante.
Achou o artigo de utilidade pública? Compartilhe clicando em SHARE, Curtir ou comente pelo Facebook.

Bookmark and Share

sexta-feira, 4 de novembro de 2011

Escárnio e Deboche: mais um pecado tolerado?

Tenho vivido uma experiência bastante curiosa desde que um amigo muito próximo se converteu. A religião dele é totalmente diferente da minha e, pela nossa intimidade, outrora, ele fazia uma troça aqui e ali por causa da minha fé. Agora, não por revide, mas, de maneira assustadoramente natural chegara a minha vez. Digo, assustadoramente porque o repertório de piadas foi bastante farto, tanto, que num desses momentos eu ouvi o grito da consciência: tá vendo?!

Afinal, não é exatamente assim que se comportam os ímpios quando alguém se converte ao cristianismo? Agora, os papéis estavam trocados e eu desempenhava sem timidez o papel daquele que é usado pelo diabo e tenta desvirtuar um novo convertido. Tudo bem, meu amigo não virou evangélico, mas, sinceramente, não tem como não reconhecer: eu me assentei na roda dos escarnecedores! Isto porque respeito não depende de opção religiosa.

Escárnio, deboche, sarcasmo são algo muito natural ao homem, tanto que humoristas brasileiros que se acham acima do bem e do mal conseguem milhares de súditos que os defendem em nome de uma tal liberdade de expressão. Seja para expressar o que for este comportamento é reprovável pelas Escrituras Sagradas e sempre será: 

"e qualquer que lhe chamar de louco será réu do fogo do inferno". Mt 5.22

"nem conversação torpe, nem palavras vãs ou chocarrices, coisas essas inconvenientes; antes, pelo contrário, ações de graças". Ef 5.4

"Não vos enganeis: de Deus não se zomba; pois aquilo que o homem semear, isso também ceifará". Gl 6.7

Parece claro que tal comportamento é incompátivel com o homem espiritual. Mesmo meu amigo não tendo ficado ofendido [pois, como eu disse, temos uma grande amizade], eu não preciso esperar isso acontecer para daí concluir: ih, pequei! É uma questão de bom senso e testemunho. Se devemos fazer tudo para a glória de Deus, está aí uma coisa que não lhe é vantagem nenhuma, ainda que se busque com ela combater heresias e falsos evangelhos.

Pode parecer uma bobagem, mas, será que a zombaria [inclusive entre irmãos da própria igreja] não é apenas mais um pecado tolerado [assim como o é a glutonaria e a fofoca]?. Deus não é Santo à nossa maneira, portanto, nós é que precisamos nos humilhar em Sua presença e nos esforçar para negar nossa natureza ímpia [o que não é nada fácil. Às vezes, tem cada deixa... aquele comentário sarcástico vem na ponta da língua e é num momento assim que se deve lembrar "Sede santos, porque eu sou santo" 1Pe 1.16]. 

Permaneçamos firmes!

Este blog é melhor visualizado com o Mozilla Firefox.
Qual é a sua opinião sobre o assunto? Deixe seu comentário aqui, pois, ele é muito importante.
Achou o artigo de utilidade pública? Compartilhe clicando em SHARE, Curtir ou comente pelo Facebook.

Bookmark and Share



sexta-feira, 28 de outubro de 2011

Jogar na loteria é pecado?

Em qualquer área em que as Escrituras não condenem alguma coisa explicitamente, nós devemos aplicar o princípio da liberdade Cristã. Isso é verdade ao assistir certos filmes , beber álcool, fumar, apostar, só pra falar de algumas das figuras mais batidas ao longo da história.

Em cada uma dessas áreas, existe uma perspective teológica que é bem simples. Se alguém perguntasse se jogar (jogo de azar) é algo explicitamente condenável, ou realmente pecaminoso; alguém poderia dizer que “não” e seria uma boa resposta. Entretanto, nós pensamos  que a melhor resposta e mais fiel seria dizer, “não necessariamente”.

Como pastores, nosso desejo não é apenas para despertar o nosso povo para as liberdades da vida cristã, mas também para os perigos. É definitivamente certo que estaríamos melhor servidos se nos abstivessemos de coisas que não são inerentemente más. 1 Coríntios 6 e 10 ambos dizem, com efeito, que “tudo me é permitido, mas nem todas as coisas me convém. “Agora, estas passagens são em referência a questões de consciência, as “zonas cinzentas” da vida cristã, por isso não tome este versículo para dizer que o adultério ou assassinato ou embriaguez ou outros comportamentos explicitamente condenados são incluídos em “todas as coisas” que Paulo menciona. Essas coisas não são “permitidas”.

O fato é que o homem ou mulher sábios reconhecem que a liberdade vem com a necessidade de discernimento. Tal comportamento é puro e agrada o Senhor? Isto desperta minhas afeições por Ele? Isso me levará para alguma tentações em particular? Jogos em si mesmos são áreas cinzentas no que diz respeito as Escrituras, portanto podemos recorrer para liberdade. Porém, quem joga deve estar ciente da natureza viciante , a tendência para dar falsas esperanças, a vantagem sobre os outros e a propensão para o luxo e ostentação.

Como crentes, somos chamados a “manter [nossas vidas] livres do amor ao dinheiro, e nos contentarmos com o que [temos], porque ele disse, “Eu nunca te deixarei nem te desampararei.” (Hebreus 13:5). Jogar pode certamente contribuir para a sede de dinheiro que é desobediência a esta ordem da Escritura. Além disso, depois de citar “todas as coisas são permitidas”  A Escritura diz: “mas eu não vou ser escravizado por nada” (1 Coríntios 6:12). Após o segundo uso, dessa expressão no capítulo 10, aparecem essas palavras: “Ninguém busque o seu próprio bem, mas o bem de seu próximo. “É possível, para você, jogar de tal forma que não seja escravizado? Você pode fazê-lo de tal forma que não danificar o outro? Se não, então o seu “direito” deve ser substituído por sua responsabilidade a aderir de vontade revelada de Deus.

O que queremos não é apenas proibir o jogo de azar, mas sim promover uma reflexão profunda dos riscos de se jogar. Como dizem as Escrituras “Não se enganem”. Conheça você mesmo e veja seus desejos e fraquezas. Examine suas motivações. Não leve a liberdade de forma irresponsável. No fim, somos todos chamados a comer e beber para a glória de Deus(1 Co 10.31). Se você escolher exercitar sua liberdade de jogar, você é chamado para fazê-lo de uma maneira que está de acordo com este comando. Jogar, ou qualquer “área cinzenta” um meio para adoração? Se sim, então entre nisso para a glória de Deus. Se não, então alegremente se refreie.

Sua maior alegria final não é achada ao ganhar o prêmio grande ou ganhar uma boa mão no poker, mas em obedecer ao Senhor, aquele que sim, é o nosso tesouro e alegria finais.

Fonte: iPródigo
Créditos pela foto: Tribuna de Cianorte

Meus comentários: outra postagem campeã de audiência aqui no blog é Se jogar na loteria é pecado por que participar de sorteio não é? Irmãos digitam no Google coisas do tipo "jogar na loteria é pecado?", "crente pode jogar?", "jogo de azar é permitido pro crente?"... Como temos afirmado, vida com Deus vai muito além do que um conjunto de regras do que pode ou do que não se pode fazer. Agora, que tipo de adoração Deus espera de alguém que só abre mão daquilo que não lhe é permitido? Como fazia o salmista Davi, não ofertemos ao Senhor aquilo que não nos custa!!! Permaneçamos firmes.

Este blog é melhor visualizado com o Mozilla Firefox.
Qual é a sua opinião sobre o assunto? Deixe seu comentário aqui, pois, ele é muito importante.
Achou o artigo de utilidade pública? Compartilhe clicando SHARE, Curtir ou Comente pelo Facebook!
Bookmark and Share



sexta-feira, 21 de outubro de 2011

O Poder da Fofoca e do Suspeitar o Mal


Duas pessoas conversam no trabalho:
- Você já conheceu o Artur, aquele cara novo que está trabalhando aqui? Ele parece legal, né?
- Ih, tome cuidado porque ouvi dizer que ele puxou o tapete dos colegas na outra empresa em que trabalhava. Dizem que esse cara é tão manipulador e egoísta que acho até que deve ser um daqueles psicopatas corporativos.

Não era verdade: Artur é gente boa e o segundo interlocutor o havia confundido com outra pessoa. Descoberto o engano, tudo foi esclarecido para não deixar o colega com uma impressão ruim a respeito do novato. Mas o estrago já havia sido feito. Um novo estudo descobriu que, mesmo que você peça para as pessoas ignorarem uma informação errada, isso não apaga a ideia inicial que ela causou.

Na pesquisa, feita pela Universidade da Austrália Ocidental, os psicólogos pediram que estudantes universitários lessem o relato de um acidente envolvendo um ônibus cheio de passageiros idosos. Os alunos foram então informados de que, na verdade, os passageiros não eram idosos. Para alguns alunos, a história acabou ali. Para outros, foi dito que o ônibus estava levando o time de hóquei da faculdade.

Depois, cada um teve que responder algumas perguntas sobre esse fato e o resultado mostrou o poder da desinformação: quem havia sido advertido sobre o engano e ouviu a história até o fim estava menos propenso a errar do que os outros, mas ainda assim acabou concordando com afirmações como “os passageiros tiveram dificuldade para sair do ônibus porque eles eram idosos e frágeis”.

Isso indica que, mesmo que você compreenda, lembre e acredite na correção posterior, a informação que você recebeu inicialmente ainda vai afetar o seu raciocínio e suas conclusões. Para o psicólogo Ullrich Ecker, um dos autores do estudo, tal fato revela um pouco sobre como funciona a nossa memória.

Apesar de as pessoas terem alguma capacidade de evitar a confiança indevida em informações de má qualidade, isso ainda continua a afetar o seu raciocínio”, explica ele. “Nossa memória está constantemente conectando fatos novos e antigos e amarrando os diferentes aspectos de uma situação em conjunto, de modo que nós aproveitamos, ainda que inconscientemente, fatos que sabemos ser errado para tomar decisões mais tarde”.

Os pesquisadores descobriram que uma advertência específica – dando informações detalhadas sobre o efeito da desinformação – conseguiu reduzir a influência das informações iniciais, mas não eliminá-la. E não adianta avisar as pessoas de que as informações nem sempre são checadas antes de serem espalhadas – Ecker disse que isso é ainda menos eficaz.

O lance é sempre checar bem as informações antes de espalhá-las por aí porque, mesmo que você corrija algum eventual erro depois, elas podem ter efeitos duradouros sobre a imagem de algo ou alguém.


Nota: que ante o açoite da língua, eu e você permaneçamos firmes!

Este blog é melhor visualizado com o Mozilla Firefox.
Qual é a sua opinião sobre o assunto? Deixe seu comentário aqui, pois, ele é muito importante.
Achou o artigo de utilidade pública? Compartilhe clicando em SHARE, Curtir ou comente pelo Facebook.

Bookmark and Share




quinta-feira, 13 de outubro de 2011

O que John Piper Representou no Brasil


Palestra de encerramento da 27ª Conferência da Editora Fiel para pastores e líderes [2011]. 

Tive o privilégio de estar com John Piper na Conferência da Fiel em Águas de Lindóia e depois no Mackenzie, onde ele falou na sexta à noite e no sábado pela manhã. Algumas coisas me impressionaram, como o recorde absoluto de audiência, tanto da Conferência Fiel, quanto dos eventos que costumeiramente são feitos no Mackenzie. Aqui destaco o papel crescente da internet e das mídias sociais (Facebook, Twitter, YouTube e outros). Houve muito mais gente assistindo as conferências ao vivo pela internet do que nos auditórios do Hotel Majestic e do Mackenzie. Durante as palestras, e depois delas, havia intensa troca de comentários e impressões nas mídias sociais por parte dos que estavam nos auditórios ou assistindo pela internet, o que leva à formação de uma comunidade cada vez maior reunida em torno, não do Piper, mas do que ele representa.

E este é o gancho para minha segunda observação. Os fatos acima descritos simplesmente confirmam o que vem sendo dito, inclusive por mídias não-cristãs, de que o Calvinismo passa por uma ressurgência, um avivamento, por assim dizer, que tem atingido especialmente os Estados Unidos e o Sul-Global -- nome que tem sido dado à cristandade nas regiões da África, China e Brasil. Mas, não se trata daquela caricatura de calvinismo explorada pelos contrários - gente sisuda, fechada nas quatro paredes de seus templos, cantando salmos ao som de órgãos de tubo, de paletó e gravata e pregando a predestinação para o inferno. Este calvinismo que ressurge, e que tem sido chamado de vários nomes, fala da alegria em Deus, quer estar presente e influenciar a cultura moderna, utiliza o que ela tem de melhor a oferecer para a glória de Deus - a julgar pelo alto emprego de tecnologia que marca os eventos - sem, em momento algum, abandonar os pontos característicos da Reforma: Sola Scriptura, Sola Fide, Sola Gratia, Solus Christus e Soli Deo Gloria. Além, é claro, dos famosos cinco pontos do Calvinismo: depravação total, eleição incondicional, expiação limitada (ou eficaz), graça irresistível e perseverança final dos santos.


O interesse pela fé reformada tem crescido tanto a ponto de romper as barreiras denominacionais, trazendo para o mesmo ambiente de estudo, adoração e louvor batistas, presbiterianos, independentes, comunidades, pentecostais, anglicanos e outros que partilham do mesmo entusiasmo pelas antigas doutrinas da graça. Isto ficou muito claro em Águas de Lindóia e no Mackenzie.
A terceira observação é que a maioria dos que estavam presentes na Fiel e no Mackenzie é composta de jovens. Acredito que a mesma coisa se poderia dizer dos que seguiram tudo pela internet. Para mim, este é um indicador extraordinário de que Deus está de fato tendo misericórdia de nós e nos dando uma sobrevida de pelo menos mais uma geração, enquanto que em outros lugares, onde um dia a fé reformada floresceu, apenas anciãos ocupam poucos lugares em enormes catedrais vazias.

Meu último comentário é que Piper pregou o tempo todo, na Fiel e no Mackenzie, num dos pontos principais do Calvinismo, sem levantar as sobrancelhas dos que detestam os calvinistas. Refiro-me à principal ênfase de Calvino, em suas Institutas e seus comentários, que é a glória de Deus como supremo bem do homem, ponto este capturado no slogan da Reforma, Soli Deo Gloria. Ao fazer isto, Piper mostrou que o calvinismo nada mais é que uma tentativa de honrar e pregar a mensagem central da Palavra de Deus, como Calvino tão apropriadamente nos mostrou. Não me lembro de ter ouvido Piper citar Calvino ou os puritanos, mas ele estava pregando calvinismo puro o tempo todo.

A Deus, portanto, toda glória.

Este blog é melhor visualizado com o Mozilla Firefox.
Qual é a sua opinião sobre o assunto? Deixe seu comentário aqui, pois, ele é muito importante.
Achou o artigo de utilidade pública? Compartilhe.
Bookmark and Share

sexta-feira, 7 de outubro de 2011

Faça Bom Proveito de Jhon Piper



Um dos pregadores de minha predileção (Ah, se o tivesse conhecido antes!!!). Acredito que sua passagem aqui pelo Brasil já é de grande valia, mesmo por aqui, RJ, onde sua palestra ainda não aconteceu. Isto porque, tenho sido convidado a lá estar no próximo domingo pelos mais diferentes cristãos, uns subversivos, outros apenas curiosos, uns bebês na fé, outros já anciãos enfafados. Só por isso, eu creio, é algo tremendamente diferente e, porque não, engraçado.

Como no intervalo da Conferência Fiel - ontem, 06/10/2011 - onde no data-show apareceu o agradecimento às igrejas que assistiam pela web e lá estava o nome da "igreja nãnãnã no Modelo dos 12" [kkkk]. Fiquei imaginando a cara dos puritanos e calvinistas sentados na platéia... Mas, que bom ser assim, uma congregação formada pelas mais diferentes espécies atraídas única e exclusivamente pela soberana Palavra de Deus.

É por isso que meu conselho aos que vão ao Rio Centro ou assistirão via internet é este: faça bom proveito de Jhon Piper. Minimamente, da sua percepção acerca das verdades bíblicas que difere do samba de uma nota só da maior parte da igreja brasileira. Ele mesmo reconhece que está aquém da revelação que prega, por outro lado, que ouví-lo não seja apenas uma coisa legal. É, foi legal. Que essa não seja sua conclusão.

Porque não é possível que ser confrontado com a grandeza do Senhor gere apenas essa sensação barata. Foi o que eu disse, dias atrás quando participei de uma célula, na qual o irmão pregou à moda de Pregação Chocante. Eu, que já estava surpreso pela ousadia, embasbaquei quando ele finalizou entoando uma poesia bastante conhecida: Quando o sol bater/ Na janela do teu quarto, /Lembra e vê /Que o caminho é um só, Porque esperar /Se podemos começar /Tudo de novo? /Agora mesmo, /A humanidade é desumana /Mas ainda temos chance, /O sol nasce pra todos, /Só não sabe quem não quer...

Algum perigo? Sim, mas, não de alguém se escandalizar com os versos de Renato Russo. Perigo maior é de alguém ali achar que foi tudo diferente do normal, muito legal mesmo e só. Eu apontei praquele garoto que cantava e disse: estão vendo? Ele é imanipulável! Alguém livre cheio de brilho nos olhos manifestando a Verdade. Como não querer aquilo? Como não ter curiosidade pela genuinidade bíblica, uma vez apresentado a ela?

Seja você arminiano, calvinista, puritano, pentecostal, neo-pentecostal, adenominacional... enfim, deixe-se medir pela justa medida que é a Palavra de Deus. Não desperdice a sua chance. Não se arrependa depois por não ter se arrependido. Se assim o for, como diz o poeta: Porque esperar /Se podemos começar /Tudo de novo? /Agora mesmo.

Permaneçamos firmes! 

Nota: Para assistir à ministração de Jhon Piper ao vivo basta acessar http://www.editorafiel.com.br/aovivo/ Ele abrirá o encerramento da Conferência Fiel 2011, agora pela manhã (07/10/2011), às 09h30min.

Este blog é melhor visualizado com o Mozilla Firefox.
Qual é a sua opinião sobre o assunto? Deixe seu comentário aqui, pois, ele é muito importante.
Achou o artigo de utilidade pública? Compartilhe.

Bookmark and Share





sexta-feira, 30 de setembro de 2011

Transforme Sua Emoção em Ação!


Quando movido de íntima compaixão, Jesus agiu. Sentir pena de alguém precisa ser a mola que impulsiona uma ação no espírito e não na carne, porque pena por pena é apenas um sentimento que mais atrapalha do que ajuda. Atrapalha e muito, diga-se de passagem.

A comoção deve se traduzir no comportamento e não apenas no evazivo campo das idéias, seja de que maneira for. A emoção toma conta quando se conhece fatos como o do pr. Yousef Nadarkhani e apenas se dá RT no Twitter. É pouco eficaz. Por outro lado, por causa deste episódio, procurar saber mais da realidade da Igreja Perseguida e se envolver com a causa através da Missão Portas Abertas ou outra organização é a coisa certa a se fazer [fica a dica].

Pois quem só sente, às vezes, não faz nada e ainda dificulta quem quer fazer. Talvez, você não se convença que dó nada contribui para o seu espírito. Até aí tudo bem, se você não ocupa cargo de liderança na sua igreja. Porque nesta posição, terá que fazer [ou deixar de fazer] algo que vai de encontro à voz de seu coração. Tudo pelo crescimento do liderado que precisa de vivência cristã para o próprio amadurecimento.

Quem tem muita pena, sempre quer ajudar - por vezes, até o próprio Deus - e acaba por impedir o mover do Espírito. Não resiste em fazer um mimo, um carinho... Muito diferente do pai do filho pródigo que, possivelmente com o coração partido, teve o sangue frio de dar a parte da herança e deixá-lo sair pela porta de casa. Uma lição dura, mas, que precisava ser aprendida por aquele rapaz. Ou por João Marcos a quem o apóstolo Paulo não livrou de uma bela canelada!

Por isso, converta sua emoção num sentimento eficiente. Se não tem domínio próprio para vencer a pena, então, não tome à frente e nem aja por impulso; nisto há carnalidade. Que sua emoção lhe dobre os joelhos para um clamor pelos envolvidos. Que sua emoção lhe torne um intercessor e um agente das coisas do Espírito e não um mero expectador do Reino de Deus.

Permaneçamos firmes!

Nota: i) minha dica não foi dada como uma repreensão para quem já ouvir falar sobre a Igreja Perseguida e não se envolveu com a causa. Ela é no sentido de estimular o leitor a se achar no Reino de Deus e praticar a fé que professa, seja no campo que for, visto que, existe uma diversidade de frentes que carecem da participação do cristão moderno. 

ii) A foto é de um acampamento militar de verão para crianças, na Coréia do Sul.

Este blog é melhor visualizado com o Mozilla Firefox.
Qual é a sua opinião sobre o assunto? Deixe seu comentário aqui, pois, ele é muito importante.
Achou o artigo de utilidade pública? Compartilhe.

Bookmark and Share

Receba Nossas Atualizações Por Email!